quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Mar gelado

Num lento pestanejar, leva as mãos aos olhos sem saber muito bem onde está. A leve neblina tudo envolve e o ar gélido que percorre os mares da Terra Nova fá-lo acordar. Sente um arrepio na espinha e o terror de não ver a embarcação principal... tem um bacalhau preso à linha, e não faz a menor ideia onde se encontra.
Vento e mar, são os únicos sons num filme de terror que tarda em terminar.
Quero acordar, quero acordar, pensa. Não era um sonho… o pesadelo, esse, era bem real.
Para trás ficara a mulher e os filhos… para trás a terra pobre…
Três meses de mar já passados a vinte horas diárias de trabalho, vencido pela exaustão e um “dory” pleno de bacalhau, num mar agora zangado e ainda mais perigoso.
A embarcação de boca aberta, em madeira, constituída por três remos, bancos, forquetas, balde, mastro, verga e vela, não parecia estável… recolhe o aparelho, deita algum do bacalhau fora na tentativa de voltar a equilibrar o bote.
Olha para a pequena bússola sem saber as horas, o dia já vai alto… sabe que consegue adivinhar a posição do navio, se este ainda aí estiver.
Começa a remar como nunca remou, a força, essa, vem muito certamente da alma, do instinto de sobrevivência, certo de que baixar os braços não é opção.
A neblina acalma e um vulto de grandes dimensões surge no horizonte. Já sem força para continuar, os sentidos desligam-se, o fim está iminente.
A sensação de conforto de uma cama e lençóis, a temperatura amena de uma divisão impecavelmente limpa e alguém a lhe falar numa língua indecifrável, “estou louco”, pensou.
Mas não estava… encontrado já inconsciente, por um navio de carga russo, um segundo folego foi-lhe oferecido…
A vida, essa, é feita de pequenos milagres…

10 comentários:

  1. às vezes (raras) ainda existem milagres...
    abraço
    :)

    ResponderEliminar
  2. Começo por agradecer a visita a um dos meus blogues
    e o comentário que deixou.

    Tal e qual: "Devemos coleccionar experiências e não, coisas!!!"
    Muito certa estava a sua avó:
    o que de melhor levamos deste mundo,
    o que se vê, o que se conhece, o que se aprende...

    Sempre que quiser, venha "viajar" comigo.

    Sobre o seu mar gelado:
    Adoro neblina...
    Vento e mar, são sons que,
    desde que não sejam em demasia
    nos fazem sonhar

    Noutras situações
    é preciso mesmo um milagre!

    abraço da Tulipa

    ResponderEliminar
  3. A saga durissima dos pescadores de bacalhau foi verdadeiramente épica e merecia ser lembrada a todo o país.

    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  4. A vida extremamente dura dos homens do mar. Foi lindo que acontecesse esse milagre. Eu acredito neles. Todos os dias.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. O mar, mãe e túmulo...com milagres de uma escrita muito coesa e bela.

    Bj

    ResponderEliminar
  6. Uma narrativa muito bela e com um final feliz, para mim isto já é um milagre.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  7. BOM FERIADO!

    Aqui estou hoje...
    mas...desde início de Outubro que nada publica.

    Algum problema?


    Poeta não sou
    mas, também escrevo a Vida da forma que a sinto.

    Daí que,
    no domingo passado aconteceu a apresentação de um livro onde participei com 3 trabalhos.

    Aqui está o meu post mais recente:

    27 de novembro, às 16:00h
    Apresentação do livro “Poetas Nossos Munícipes”
    Com o objetivo de divulgar e valorizar a poesia e os poetas locais e, simultaneamente, incentivar a criatividade literária e o gosto pela escrita, atividades que consideramos essenciais na formação individual e coletiva dos cidadãos, a Câmara Municipal promoveu a 3ª edição do projeto
    “Poetas Nossos Munícipes”, antologia de poesia do concelho da Moita.
    Participaram nesta edição, 26 poetas residentes no concelho
    ou naturais não residentes, com um total de 94 poemas.

    Só um cheirinho do que li:

    LUGARES DO MUNDO

    Viajar é avançar!
    Quero ir pelo Mundo.
    Preciso de sentir a viagem.
    Viajar por mim, com meus olhos e pés.
    Há muitos lugares que podem ser descobertos.
    É só uma questão de enveredar por trilhos.

    São Miguel, Terceira ou Flores
    Tudo isto é Açores.

    Muitas vezes, Vitorino Nemésio
    passeou pela Terceira
    nos seus alongados pensamentos.
    Um jardim colorido e regado por várias lagoas.
    Onde os canteiros são recortados
    por rios de lágrimas que brotam da encosta
    em quedas de água gigantes
    num permanente choro de alegria,
    doce e terna nostalgia.

    (continua)

    SEGUNDA-FEIRA, 28 DE NOVEMBRO DE 2016
    APRESENTAÇÃO DO LIVRO "POETAS NOSSOS MUNÍCIPES"
    no blog:
    http://momentos-perfeitos.blogspot.pt/

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  8. Meu amigo,
    Desejo que passe em família um Natal com alegria e amor e que em 2017 realize todos os seus sonhos.

    Um abraço com amizade




    ResponderEliminar